Arquivo | Série Outros RSS feed for this section

Nostalgia – Jogos de Tabuleiro

24 fev

Depois da invenção do botão o mundo mudou! Ninguém mais levantava da poltrona pra trocar de canal ou passar um tempinho no fogão fazendo uma pipoca. Esse botãozinho mudou tanto nossa maneira de viver que hoje somos uma população fora de forma e acima do peso, até nosso ritmo de vida mudou. Somos mais estressados, não temos mais tempo pra nada, e o tal botão só contribuiu pra isso.

Daqui um tempo vai ser esse aí quer irão apertar!

Botão do Pânico! Daqui um tempo vai ser esse aí quer irão apertar!

Agora, você deve estar se perguntando o porquê de tanta divagação sobre um simples botão. Eu explico.

Há poucos anos atrás, lá pelas décadas de 80 e 90, e quem foi criança e adolescente nesse tempo saberá do que estou falando, nós éramos muito mais “moleques” do que as crianças são hoje. Brincávamos na rua até tarde, vivíamos escorregando em gramados e barrancos, tomávamos da mesma água da mangueira que usávamos pra dar banho no cachorro e tudo estava bem. Nesse tempo ainda não tínhamos tantos aparelhos eletrônicos em casa como agora, no máximo uma TV comum, um estéreo e um VCR, que pra quem nunca ouviu falar são os velhos Vídeo Cassetes. Sendo assim, poucos botões pra nos tirar das brincadeiras de rua e nos colocar prostrados de frente a TV.

Nessas últimas férias tive um agradável Déjà vu sobre esse assunto. Logo que cheguei em Angra fui à casa do Cris, já esperando saber das novidades do PS2 ou dos nossos seriados, coisas que adoramos, e ao contrário do que eu imaginava não havia nada disso, e sim um monte de jogos de tabuleiro! Logo que vi já pensei, “essas férias vão ser um saco!”, mas que nada! Largamos de lado os então adorados botões e a tela da TV pra nos sentar num círculo em volta de um velho tabuleiro, marcado com os tradicionais peões coloridos que mais parecem cones com verrugas nas pontas. Havia muito tempo que não olhava pra um tabuleiro desses, como os do Jogo da Vida, Banco Imobiliário, Scotland Yard, dentre tantos outros. E as marcas então, Grow, Estrela… que saudades dos tempos em que elas faziam nossa alegria. Mas claro que os botões não nos deixaram assim tão fácil, afinal, se não fossem por eles eu não estaria aqui escrevendo esse texto num notebook sem ao menos ter um cabo de rede conectado, mas isso não vem ao caso agora.

jogos

O que importa mesmo é que há muito tempo eu não me divertia tanto! Passei dois meses em Angra e conto nos dedos a quantidade de vezes que trocamos os nostálgicos tabuleiros por novíssimos controles de XBOX 360 ou Playstations. E digo mais, não satisfeitos com a quantidade de jogos que já tínhamos compramos mais alguns, tantos outros vieram de casas de amigos onde permaneceram esquecidos em armários e debaixo de camas por tanto tempo.

Esses jogos nos fizeram lembrar tempos antigos, de quando ainda éramos crianças e não tínhamos botões em casa, e isso deu pano pra manga! Passamos noites falando sobre isso. Hoje, em qualquer casa, de qualquer cidade sempre iremos encontrar um bando de crianças que não só sabem usar um computador para jogar ou pesquisar como também têm capacidade para criar sites complexos, entendem uma montanha de comandos dos tais CS’s e Ragnaroks da vida, mas que nunca brincaram de pique na rua, não sabem o prazer de reunir os amigos pra uma partida de Queimado ou mesmo fazer uma pista de corrida na areia da praia pra ficar dando tecos com os dedos em tampas de garrafa, eu adorava uma Corrida de Tampinhas, passava horas fazendo a pista e mais horas nas tecadas, esquecia da vida, até que a mãe aparecia pra levar pra casa.

A infância das nossas crianças atualmente é baseada numa educação completamente eletrônica, tudo gira em torno de videogames e computadores, digo isso porque tenho três sobrinhos, e a mais velha adora o Orkut e o tal Buddypoke e agora está louca por um celular. Poxa, ela só tem seis anos! No meu tempo me contentava com um relógio Casio e um Pogoball! Tenho medo do que ainda vem pela frente, de como crescerão os nossos filhos e netos.

Anúncios

Celular + Microondas = Corraaaaa!!!!!

1 jun

Não tentem fazer isso em casa!!!

 

Milagres

10 abr

A razão do meu viver, Maria Luisa, Fernanda e Mateus.

Maria Luisa, Fernanda e Mateus. Sem vocês eu não vivo!

Todos estavam agitados e nervosos quando a vimos passar na maca, já meio dopada e cercada de médicos. Aquela cena me deixou ainda mais nervoso, mas sabia que tudo ia dar certo. Eu, tenso como estava matei quase meio maço de cigarros em menos de uma hora. Foi quando ouvi aquele som, o som do milagre da vida, o som de que Deus realmente existe e só faz coisas maravilhosas, e foi nesse momento que um dos médicos nos disse que já poderíamos olhar pela grande vidraça, e a primeira coisa que eu vi foram aqueles lindos pezinhos soltos no ar, pequenas mãozinhas rosadas e um chorinho delicioso. Eu e meu pai estávamos juntos, e não conseguíamos segurar a emoção. Não havia como não derramar algumas lágrimas, simplesmente não havia como, era a coisa mais linda que eu já tinha visto em toda minha vida, e agradecia a Deus o tempo todo por nos ter possibilitado esse milagre.

Este foi o nascimento da minha primeira sobrina, Maria Luisa, mas parecia ser o dia do nascimento do meu filho, e ter minha prole é o que mais quero nessa vida, não vejo a hora de poder dar continuidade a essa parte da vida, de poder acompanhar toda a gravidez, de acordar no meio da noite com ela sentindo contrações e correr para o hospital, de mais uma vez ficar quase louco de preocupação no saguão e chorar mais uma vez quando olhar para aqueles dedinhos rosados. Às vezes fico pensando e realmente não sei se realmente passarei por isso, não sei se pela idade, apesar de ter ainda 27 anos, ou por não ser casado ainda, realmente não sei muita coisa da minha vida e nem do meu futuro, mas espero que o meu momento de ser pai ainda aconteça nesta encarnação.

Mateus, eu não me esqueci de você meu sobrinho, é claro que passamos pelo mesmo no dia do seu nascimento, a emoção sempre é igual!

Mais um selinho!!!

9 abr

Fala povo! Tô meio afastado daqui, eu sei, mas é o bloqueio criativo aliado a alguns probleminhas, mas acho que agora dá pra voltar aqui pro meu canto e escrever mais umas bobagens pra vocês lerem. Enfim, hoje o post é especial (de novo), ganhei mais um selo, dessa vez o presente veio da minha amiga Nina, que por sinal foi uma das pessoas que me inspiraram a iniciar um blog.  Mais uma vez obrigado Nina, espero poder continuar meu espaço e melhorar pra merecer mais alguns desses!

Agora a parte gostosa, a indicação…. and the seal gos to….!!!

Fafah – Inconstantemente Falando

Tititi – A Mancheias

Como estou desatualizado pacas, vai só pra esses por enquanto! Não quer os outros blogs que eu leio não valem o selo, mas por hora serão esses ok!

Isso é música!!!!

17 mar

Killswitch Engage – My Curse

I watched you walk away

Hopeles, with nothing to say

I screen my eyes

Hoping to see you again

This is my curse (the longing)

This is my curse (to)

This is my curse (the yearning)

This is my curse

There is love burning to find you

Will you wait for me?

Will you be here?

Your silence haunts me

But I still hunger for you

This is my curse (the wanting)

This is my curse (to)

This is my curse (the needing)

There is love burning to find you

Will you wait for me?

Still I want

And I still I ache

But still I wait

To see you again

Dying, inside, these walls (2x)

Can I see your face in these tears? In these tears

And I see your face…

There is love (8x)

Pra quem gosta de escutar porcaria, já pensaram em talvez conhecer um pouco mais de música de verdade?

E o prêmio vai para….

9 mar

 

Galera, quando criei esse blog nunca imaginei ganhar o tão sonhado selo dos blogs mais maneiros da net… agora o meu é um desses!!! Quem me deu o prêmio foi minha amiga Tititi, do A Mancheias, que por sinal também foi minha amiga secreta dos blos do ano passado. Só não sei dizer quem foi que iniciou essa premiação, mas logo que souber coloco aqui, e o selo ainda não é o oficial…. daqui uns dias atualizo.

 

selodual.jpg

Valeu mesmo pelo prêmio Tititi, nunca esperei receber esse mimo…

 

A Tititi ainda me chamou pro meu primeiro meme, que achei legal e interessante, já que podemos saber um pouco mais dos nossos amigos blogueiros…  aí vai!

Melhor momento: quando descobri que ainda não ia ser pai!!!

Pior momento: putz… são tantos; deixa essa em off

Algo que aprendi: nunca subestime uma mulher

Filme que adorei assistir: cara, sou cinéfilo, pra escolher vai ser complicado, mas posso dizer que um dos melhores que já ví foi “A Espera de um Milagre”, adaptação para o cinema de um dos melhores livros do mestre Stephen King.

Promessa para esse ano: trabalhar, trabalhar, trabalhar!

 

Como eu ainda não estou acostumado com esses lances de Memes vou seguir o que a Tititi fez no dela, e irei REPASSAR para os meus escolhidos!!! Aí vão eles….

Minha linda Fafah, do Inconstantemente Falando

A linda Nina, do Menina Nina

A ótima Renata, do Levanta Creuza

Nosso amigo Vinícius, do Morar Sozinho

 

Valeu galera…. espero que os premiados tenham gostado tanto quanto eu!!!

O Melhor Trote da Comunicação!!!!

27 fev

 

calouros15.jpg
Eu tomando conta da melhor parte do trote, se é que vocês me entendem.

Há um ano atrás quando entrei na faculdade uma das poucas coisas que passavam pela minha cabeça era o dia do trote. Apesar de querer participar eu ficava pensando em como seria, o que fariam com a gente, e quando chegou o dia foi bem pior do que eu pensava. Os veteranos nos buscaram no meio da aula e nos fizeram descer 4 andares de mãos dadas, berrando na nossa cabeça até a saída da faculdade, onde começaram com os trabalhos. Nunca fiquei tão sujo na minha vida. Perdi a roupa e os tênis que usava nesse dia, mas valeu pela experiência e diversão.

Agora foi a minha vez, já no primeiro dia de aula começamos o trote dos nossos calouros, no início foi leve, apenas aquela pressão, entrávamos na classe deles o tempo todo dando ordens, falando alto, interrompendo as aulas e coisas do tipo. No segundo horário a coordenação do curso havia marcado uma integração no Salão Nobre, onde todos os professores falariam um pouco sobre as cadeiras e sobre a faculdade em si. No Salão colocamos os calouros na frente e no fundo ficamos todos nós veteranos, eu ficava imaginando o que eles estavam pensando, 40 calouros contra quase 100 veteranos que não paravam de falar. O que eles não sabiam é que dois desses professores na verdade eram os alunos André e Alysson, agora só me recordo da suposta matéria do André, Teoria da Matemática Comunicacional, foi uma bagunça, com show do professor Jorge Guilherme (e Banda) no final… divertido. No dia seguinte mandamos que viessem as mulheres de azul e os homens de rosa, e eles obedientemente cumpriram. No outro dia teriam de vir de pijama, e mais uma vez vieram a caráter, a calourada entrou mesmo no clima. Nesse dia demos a eles um “ovoguchi”, que era um ovo com um rosto desenhado, que eles teriam de cuidar e trazer nas aulas até o dia do trote, e um crachá, onde não trazia o nome deles, mas sim “Bicho é burro e veterano é foda”. Então chegou a quinta feira, lá pelas 18:30 eles começaram a chegar e já nem deixamos que entrassem na faculdade, prendemos eles dentro de uma antiga lanchonete, que mais parecia um curral (perfeito). Quando todos chegaram começamos os trabalhos, colocamos todos de super-heróis, os homens com a cueca por cima da calça e as mulheres com o sutiã por cima da camisa, todos com seus crachás, ovoguchis e nariz de palhaço. Logo depois começou a seção salão de beleza, os rapazes ganharam de graça um corte de cabelo super moderno, e novas cores em suas roupas cortadas com primor pelos especialistas em moda! Foi um festival de tinta, água de peixe e essência produzida pelo povo do curso de farmácia, muita farinha e pó de café, além de uma infinidade de coisas que nem eu queria saber o que eram.

 

calouros3.jpg
Isso aí, pijamas e ovoguchi na mão!

Depois de devidamente preparados os colocamos na “posição do elefantinho” e seguimos rumo a outra entrada da faculdade, o que os obrigava a passar pelas ruas, e frente a restaurantes e todo mundo, e claro, os banhos continuavam. Quando paramos no outro lado separamos as mulheres dos homens, mais precisamente em frente ao bar Colarinho Branco, e demos início as Olimpíadas dos Calouros, com as provas do Vivo Morto, as meninas passando a banana, os homens o palito de dente, tinham que rolar deitados na rua, cantar… foi muito bom. Depois ainda levamos mais pra longe, fomos em direção a Av. Mário Ramos, que é uma ladeira, e todos tiveram de descer rolando, mas claro, depois do Passo do Elefantinho. Quando chegamos na praça do banheirão (Casas Bahia) todos tinham de mergulhar no chafariz, o que acabou sendo bom até pra gente, diminuiu um pouco o odor deles, e em seguida foram pro sinal arrumar dinheiro pra choppada… esse trote vai ficar pra história do Curso de Comunicação do UBM, foi bom demais, além da calourda ter arrecadado bastante grana. Hoje será nossa choppada, nem sei como vou chegar em casa!

 

calouros4.jpg
Compilação com as melhores!